menu

Quero ser social media: 6 dicas para você que deseja mergulhar de vez nessa profissão

25 de agosto de 2017

Reservei este texto para falar especialmente com você, que chegou aqui porque tem o desejo de ser social media (ou analista de mídias sociais), mas não sabe por onde começar.

Antes de trazer as seis dicas, quero reforçar dois pontos importantes.

Você gosta mesmo dessa área?

É meio óbvio dizer, mas você precisa gostar e se interessar por redes sociais, canais digitais e afins. Não só pelo básico, mas pelas minúcias, bastidores e milhares de possibilidades que eles oferecem para as empresas.

Você vai se graduar em quê?

É ideal que você faça, pelo menos, uma graduação na área de comunicação: Jornalismo, Publicidade, Relações Públicas, Marketing, Comunicação Integrada e áreas correlacionadas. Por quê? Porque a comunicação digital ainda é comunicação.

E comunicação é coisa séria, pois carrega a responsabilidade de cuidar de uma marca, um nome, uma reputação construída com muito esforço e suor. Esse conhecimento sobre a comunicação a gente adquire por meio de muita dedicação e estudo, certo?

Esclarecidos esses dois pontos, vamos agora às seis dicas para você que se interessou ainda mais e deseja continuar esta leitura!

1. Estude muito

Estudar é fundamental para qualquer profissão, e acredito muito nisso. Mas no caso de redes sociais, o estudo deve ser ainda mais valorizado, já que é um setor de mudanças constantes, novidades e adequações.

Para se tornar um profissional de mídias sociais, é necessário conhecer as ferramentas, estudar as políticas das redes, fazer testes, conhecer estratégias e metodologias, enfim. Estudar!

Não pense que, ao atingir o seu objetivo de ser um social media, essa tarefa se esgota. Ao contrário, é necessário estudar ainda mais e constantemente. Acompanhe de perto as novidades, siga pessoas que são referências e não deixe que nada passe despercebido. Qualquer erro ou falta de informação pode ser prejudicial.

2. Comece pelo diagnóstico

Trata-se de uma etapa fundamental para o trabalho de social media, pois ajudará você a conhecer bem a empresa, os públicos que ela atende, os concorrentes e o mercado em geral.

O diagnóstico é também essencial para trazer informações relevantes, que serão utilizadas na próxima etapa, a do planejamento.

3. Faça um planejamento completo

Em um artigo recente, eu trouxe mais detalhes sobre como fazer um planejamento caprichado para a empresa do cliente que você atenderá como social media.

Planejar e documentar os objetivos, as editorias, os canais de atuação, a quantidade e frequência dos posts, entre outras coisas, ajudará você a realizar um trabalho mais organizado e que traga resultados de fato.

4.Organize-se para o trabalho do dia a dia de social media

É muito importante criar uma metodologia para organizar o seu trabalho, principalmente para que você consiga atender a vários clientes simultaneamente, sem fazer nenhum tipo de confusão. Eu uso planilhas do Google Docs. para isso, e essa estratégia sempre funcionou para mim e para a equipe que trabalhava comigo.

Você pode encontrar a sua maneira de se organizar, mas a encontre. Saiba que sem disciplina e sem antecipar as publicações, as datas importantes e o conteúdo a ser produzido, o trabalho de mídias sociais será uma grande bagunça e frustração.

5. Escolha as ferramentas corretas para trabalhar

A web está repleta de ferramentas gratuitas (ou não) que nos ajudam a programar os posts e responder aos usuários de forma mais rápida e organizada.

Indico aqui três ferramentas úteis: TweetDeck, Instamizer e Hootsuite. No entanto, a minha preferida é a MLabs. Ela é paga, mas é um valor justo devido às suas funcionalidades. Faça um teste e comprove.

6. Cobre corretamente pelo seu trabalho

Esse é um dos pontos mais importantes, já que a cobrança errada pode desvalorizar não somente você, como profissional, mas toda a categoria.

Não é à toa que citei o estudo como primeiro ponto aqui. Para atuar na área, você precisa estudar muito, muito mesmo, até se sentir preparado para gerenciar contas de empresas. E isso, acredite, é uma grande responsabilidade.

Mas a partir do momento em que você se sente pronto para isso, é hora de valorizar esse esforço. Cobrar valores muito baixos, por melhor e mais ‘justificável’ que seja a intenção, é impedir a consolidação do mercado de marketing digital — que já sofre muito preconceito, diga-se de passagem — e atrasar seu crescimento.

Mas quanto cobrar? Uma das formas de saber isso é perguntar, para as pessoas que trabalham na área, sobre a média salarial para perfis como o seu e tirar uma média. Você pode também consultar­ sites como LoveMondays, para ter certeza de que o valor cobrado não está abaixo nem acima do indicado.

No vídeo abaixo, falei sobre estas seis dicas. Se quiser consolidar ainda mais seu aprendizado sobre o tema, aperte o play!

Espero que tenha gostado deste artigo e convido você a assinar minha newsletter, para receber mensalmente, em seu e-mail, uma seleção de artigos tão informativos quanto este. Amplie seus conhecimentos sobre o mundo do marketing digital!

Um abraço e até breve!

CATEGORIA: Digital
© Rute Faria 2017