menu

Como fazer um planejamento de marketing digital? Confira 6 dicas!

22 de agosto de 2017

No artigo de hoje, vamos falar sobre o planejamento de marketing digital, etapa fundamental que antecede a execução do trabalho de mídias sociais.

Você vai aprender como definir os canais certos para atuação, como elaborar as editorias e frequências de publicações, entenderá por que é preciso criar uma nuvem de tags e aprenderá o jeito certo para definir o valor do investimento mensal e o fluxo de trabalho com seus clientes.

Importante falar que o planejamento não só ajuda a organizar as ideias em um papel, mas também se transforma em um documento importantíssimo para consulta de toda a equipe, assim como o diagnóstico de marketing digital.

Prontos para aprender? No fim do texto, ainda tem um vídeo para reforçar esses pontos, um a um, para que você termine sabendo fazer um planejamento completo e muito útil para a organização do seu trabalho. Vamos lá?

1. Comece deixando o objetivo bem claro

É importante começar o seu planejamento de marketing digital com um objetivo. Afinal, é essencial compreender o que será abordado nessas estratégias e como elas serão úteis para a execução do trabalho em redes sociais.

Qual é o objetivo da empresa em questão? Vender mais? Ter um contato mais próximo com os públicos por meio de novos canais de atendimento? Divulgar o negócio no ambiente digital e consolidar a marca também no ambiente online? Conseguir novos leads? Todos esses?

Seja qual for o objetivo, ou objetivos, é essencial descrevê-lo de forma clara no planejamento, pois é a partir dele que o restante do documento será elaborado.

2. Defina os canais em que a empresa deverá atuar

Já mencionamos aqui que, antes do planejamento, é preciso fazer um diagnóstico completo que mostre os detalhes da empresa, dos públicos, dos concorrentes e do mercado em geral. E esse diagnóstico trará uma boa visão dos canais que estão sendo utilizados pelo público e pelos concorrentes. Inclusive, mostrará erros e acertos que servirão como aprendizados para a sua empresa.

Aproveite essas informações para definir quais serão os meios imprescindíveis para seu negócio atuar. Lembre-se que é melhor iniciar com um ou dois canais — e ampliar aos poucos, se for o caso — do que começar em vários ao mesmo tempo e tentar descobrir “na sorte” quais serão úteis.

Fazer isso demonstra despreparo. Ainda, pode ser que você e sua equipe não consigam manter todos os canais atualizados, deixando-os abandonados. Por isso, pense bem nos meios escolhidos. Se resolveu criar uma página em alguma rede social, vá até o fim! Invista, atualize-a, responda seu público e siga com determinação.

3. Estabeleça os tipos de conteúdo

O próximo passo é definir quais serão os conteúdos abordados nas redes. O mapa de empatia, que também é utilizado na etapa do diagnóstico de marketing digital, pode dar uma boa noção dos temas que seus clientes consomem.

A partir dele, da análise da concorrência da pesquisa de mercado e do próprio conteúdo que a empresa dispõe para compartilhar com o público, será possível criar editorias, ou seja, temas relevantes para serem trabalhados nas mídias sociais de maneira bem equilibrada e atrativa.

Lembre-se que redes sociais pedem assunto leves e interessantes. Nada de ficar promovendo sua empresa e seus produtos constantemente, transformando seus canais em vitrines de propaganda para seus negócios e apenas isso.

Gere conteúdo rico, útil, interessante. Informações que façam sua marca ser referência e, mais do que isso, ser lembrada sempre que o cliente precisar de um produto ou serviço relacionada a ela.

4. Defina a frequência dos posts e publicações

E quanto à quantidade e frequência dos posts? Como vou saber as ideais? Meu conselho é começar medindo pelo número de informações disponíveis e pela média de posts dos concorrentes mais bem-conceituados do mesmo setor.

A exibição orgânica de informações no Facebook, por exemplo, está cada vez mais regrada e selecionada. Publicar poucos posts por lá pode fazer mal para sua página e baixar gradativamente a audiência, já que a rede é muito dinâmica e uma das mais utilizadas no mundo.

No entanto, isso não significa que você deve exagerar na quantidade de posts, e sim encontrar um equilíbrio. Qualidade conta muito mais do que quantidade.

Na dúvida, comece com dois a três posts semanais, sempre avaliando na aba “informações” da sua página os melhores dias e horários para publicar. Essa informação é cedida pelo próprio Facebook e avalia a audiência de cada página. Por isso, não há como sugerir um horário padrão. É preciso avaliar caso a caso.

5. Estruture sua nuvem de tags

Nuvem de tags aqui é a famosa seleção de palavras-chave para orientar a produção de conteúdo nas mídias sociais, seja no Facebook, LinkedIn, Twitter, Instagram ou site. A seleção desses termos-chave é fundamental para direcionar os textos da sua empresa e fazer com que o público encontre o seu material quando estiver procurando sobre aquele tema.

Mas como descobrir as palavras-chave ideais? Esse trabalho também deve ser feito no diagnóstico, utilizando ferramentas como Google Trends, KeyWordTool, KeyWordPlanner, SemRush, entre outras. Saber as palavras mais adequadas ajuda seu conteúdo a aparecer de forma mais sistemática e eficiente para quem tem interesse nele.

No planejamento, portanto, você exibirá as palavras-chave selecionadas para o trabalho, registrando ali que elas serão utilizadas durante a execução do serviço. Ferramentas como TagCrownd são excelentes suportes para tornar essa apresentação mais dinâmica e bonita.

6. Defina um valor fixo de investimentos

O investimento é uma das vantagens do marketing digital porque, além de ser menor do que nas mídias tradicionais, os recursos podem ser totalmente segmentados para o público de interesse, o que lhe confere eficiência, qualidade e grande possibilidade de mensuração dos resultados.

No planejamento, é hora de definir qual valor será investido e como ele será distribuído. Verifique quanto a empresa pode investir e distribua de forma equilibrada esses recursos entre os canais e as publicações. Faça uma segmentação diversificada e coerente com cada tipo de post, para não dar um “tiro no pé” e exibir os anúncios sempre para as mesmas pessoas.

Por exemplo: se a publicação fala sobre dicas de viagem, direcione-a para quem viaja constantemente (essa é uma possibilidade que o Facebook oferece). Se a publicação fala sobre uma promoção especial em sua loja, direcione-a por geolocalização, para que as pessoas que moram nas proximidades da loja visualizem e aproveitem a promoção. E assim por diante.

ente (essa é uma possibilidade que o Facebook oferece). Se a publicação fala sobre uma promoção especial em sua loja, direcione-a por geolocalização, para que as pessoas que moram nas proximidades da loja possam visualizar e aproveitar a promoção. E assim por diante.

No vídeo abaixo eu falo um pouco mais sobre esses seis tópicos abordados, confira:

Bônus: alinhe a forma de aprovação dos posts e os porta-vozes da empresa

Outro ponto importante do planejamento é definir como se darão as aprovações do conteúdo. Serão por e-mail? Por Skype? Utilizarão algum sistema de integração específico para isso? Quem deve ser procurado quando um cliente pedir uma informação específica sobre um produto, setor ou serviço?

A definição do fluxo de trabalho e das pessoas responsáveis é de suma importância para que a execução do serviço de mídias sociais esteja completamente alinhada com a política da empresa e com as ações do negócio.

Após o planejamento, partiremos para a pesquisa, produção de conteúdo e publicação. Mas esse será o assunto de um próximo artigo. Espero que tenha gostado de aprender um pouco mais sobre planejamento de marketing digital e convido você a assinar o meu canal no YouTube e ativar as notificações para receber, diretamente em seu e-mail, conteúdos semanais sobre esse e outros temas.

Até o próximo artigo!

 

 

 

CATEGORIA: Dicas para o dia a dia
© Rute Faria 2017